Escola de Gestão Pública de Sorocaba

   Reforma de imóvel com aproximadamente 65 anos de uso. Surgiu para abrigar a estrebaria (para abrigar cavalos da Guarda Municipal), e desde então teve usos múltiplos, desde escritórios até depósito de materiais.

    Encontramos o prédio muito deteriorado, e a reconstrução foi praticamente total. A análise do entorno (terreno espremido entre a Guarda Municipal e uma creche) levou à escolha de uma arquitetura limpa e contemporânea, com cores neutras, sofisticada se compararmos com tipologias educacionais corriqueiras, para que não brigasse com a envoltória conurbada.

   O conceito de distribuição valoriza o aluno, onde um pátio central coberto liga todas as salas. Neste local, iluminado zenitalmente, encontra-se uma cafeteria e acesso à praça posterior. O ponto de encontro, novos contatos, confraternização é este átrio central. Em torno dele encontram-se as 2 salas de aula convencionais, sala de informática, auditório, sanitários e área de serviço. A recepção é quase uma continuação do átrio. Dela pode-se observar a generosa arborização através da grande empena de vidro na fachada frontal, onde o jardim está inserido. A sala de administração está voltada para a fachada também, com um brise metálico protegendo-a do sol nascente e garantindo privacidade para o trabalho quando exigida concentração.

    O conjunto é totalmente acessível. O empenho de todos os profissionais envolvidos (fiscal de contrato, mestre de obras, engenheira responsável e mão-de-obra) garantiu a qualidade do trabalho. As últimas imagens mostram um comparativo (antes e depois).

Colaboradores:
Alexandre Maranhão e equipe SEOBE (acompanhamento obra)
Eng. Clebson Ribeiro e equipe SEOBE (paisagismo)
Eng. Denise e equipe Construtora Casagrande  (responsável pela obra)

Projeto Institucional – 530m2 – 2009

DSC02106DSC03664 DSC03666DSC02086 DSC03679 DSC03677   DSC02080

DSC02113   DSC02069comparat6 comparat4 comparat3 comparat2

Anúncios

Ampliação de Residência – Village Siriema

  Uma ravenala madagascariensis, uma linda planta parecida com uma bananeira em leque, foi o partido do projeto de ampliação desta residência em um condomínio de casas padronizadas.
No antigo quintal, foi projetado um home-theater, anexo às salas existentes. Para que a ravenala se integrasse ao interior, foi instalado um pano de vidro revelando o jardim, valorizado com paisagismo de espécies tropicais como bromélias, orquídeas-bambu, impatiens e bambuzinho. Este conjunto emoldura ainda uma imagem de São Francisco – a pedido dos moradores, um casal de veterinários. Mesmo pequeno, o jardim tornou-se o foco das atenções.

   Projetos de forro, luminotécnica e marcenaria foram realizados a fim de obter um resultado contemporâneo e confortável.

Projeto Residencial – Design de Interiores – 74m2 – 2009    Fotos: Pontes & Prestes Fotografia

Francine Trevisan (62)Francine Trevisan (61) Francine Trevisan (52) Francine Trevisan (16)Francine Trevisan (57)   Francine Trevisan (36)

Francine Trevisan (10)    Francine Trevisan (4)

Salinha Apartamento Campo Belo

   Um apartamento pequeno para um jovem casal sem filhos. A sala é o coração do imóvel, onde mesmo com as pequenas dimensões, há espaço para o trabalho e o lazer.
O desejo foi o de misturar peças de personalidade clássicas e antigas, como o camiseiro marchetado de 1942, o vaso chinês e as câmeras fotográficas, com móveis claros, práticos e pequenos.
O sofá com chaise longue (Oliveira e Pauluci) amplia o conforto. Almofadas e quebra-rins confeccionadas pela Morarte. A tela em óleo intitulada “ternura” é da artista plástica Regina D’angelo. Os puffs brancos (Tok & Stok) são coringas pois podem servir de mesa, aparador ou bancos. O rack  da Etna esconde os eletro-eletrônicos, dando leveza ao ambiente.
A mesa de estudos pode transformar-se em uma pequena mesa de jantar, da Tok & Stok. O design da cadeira italiana “Nina” Cinex, integra-se perfeitamente ao local, em sintonia com as curvas do vaso chinês (garimpado na feira praça Benedito Calixto) e do adesivo decorativo, clareando o ambiente.
   A estante acomoda as lembranças de viagens e é solta propositalmente do rack, pois a fiação fica escondida atrás do mesmo, permitindo a remoção para limpeza. Vegetação da Verde Rama, empresa locada na antiga residência de Vilanova Artigas, inspiração situada a uma quadra do apartamento.

Projeto Residencial – Design de Interiores – 15m2 – 2010

    

    

Clínica Médica

  Os proprietários adquiriram uma casa, construída à aproximadamente 35 anos. A antiga garagem (com laje) se transformou em uma ótima sala de recepção/espera. Os dormitórios, a sala e a cozinha foram reformados para abrigar consultórios. A edícula foi transformada em copa e área de serviço. De acordo com a NBR9050, o sanitário dos pacientes é totalmente adaptado, e os desníveis vencidos com rampas.

    A ideia foi a de elaborar uma sala de espera diferente do usual (aquele verdinho claro com balcões em alvenaria!). Para tal foi utilizada a cor lilás, que faz parte do logotipo, com materiais aconchegantes como madeira, o detalhe em ladrilho hidráulico, os tons tabaco dos sofás e a vegetação que revela-se na área de luz.

   A fachada recebeu nicho com detalhe em porcelanato imitando madeira, permitindo que a placa indicativa fosse realizada com letras brancas, uma ideia diferenciada que revelou-se totalmente possível. Na calçada, a entrada principal recebe piso avermelhado, como um tapete vermelho convidando o paciente. Enquanto a maioria dos ambientes de saúde ainda têm suas instalações frias, com cadeiras desconfortáveis e materiais gelados, nesta clínica a humanização foi prioridade para que o paciente sinta-se acolhido e relaxado, já cuidando da sua saúde mesmo antes de consultar-se.

   A última imagem mostra a fachada antes do projeto de arquitetura e reforma.

Projeto comercial – 192m2 – 2010

Território Jovem

  O conjunto deste projeto (ambiente físico e gestão) foi escolhido em 2010 como um  modelo para as cidades paulistas, pela Coordenadoria da Juventude do Estado e pela Fundação Prefeito Faria Lima (CEPAM). Este galpão público está situado no Jd. Ipiranga em Sorocaba, bairro carente com características de lotes pequenos e ocupações irregulares. Durante algum tempo fechado, o mesmo foi saqueado, sofreu vandalismo e cenário de muitas atividades ilegais. O interesse da Secretaria da Juventude da Prefeitura de Sorocaba, em oferecer cursos para os jovens do bairro, resultou em um projeto de reforma bem sucedido e identificado à linguagem do usuário.

   Em 2008, dois anos após a conclusão da obra, a  envoltória  foi cenário de um plano de reurbanização completo e assertivo, com pavimentação de avenidas e ciclovias, construção de terminal de transferência de ônibus, posto de serviços  “casa do cidadão” e uma extensa área de lazer. O projeto, embora simples, respeita e entende os axiomas do local de inserção, seus aspectos sociológicos, dialoga com as expectativas, diferindo da simples construção matemática.

  A pluraridade do uso exigiu um salão amplo, palco, camarins e coxias, cozinha, área de serviço e sanitário adaptado.  A compreensão da dinâmica local veio através do destaque do Grafitti na fachada. Este diálogo com os jovens,  afastou o vandalismo com a valorização de um ícone cultural da periferia.  As cores quentes também traduzem a inquietude e a alegria da adolescência.  O palco é flexível, possui uma porta de enrolar que permite apresentações para o jardim, ou para o interior do galpão. No local, mensalmente ocorrem atividades artesanais, físicas, linguísticas e preparatórias para a geração de renda.

Projeto e Obra de Reurbanização – 542m2 – 2006

     

  territorio_jovem_5   

territorio_jovem_6

Edifício Comercial + Apartamentos

   Um terreno de esquina com 10m x 30m. O desafio de acomodar um térreo comercial, e pequenos apartamentos para locação nos andares superiores. o estudo da legislação urbana revelou ser possível somente 3 pavimentos com a empena esquerda encostada ao vizinho.

    Teve início então o projeto, onde cada pavimento tipo possui 4 apartamentos de um dormitório, pois o local possui uma população flutuante de alunos de medicina. Para o térreo comercial, pensou-se em uma fachada em vidro, onde a cota do piso elevada do passeio 50cm, permite a visualização perfeita do produto que se quer expor.

    A inteligência do projeto com sua estrutura em malha, sem transições de pilares ou vigas permite uma economia considerável na estrutura, onde os eixos de paredes coincidem ao máximo. Pretende-se utilizar em muitas paredes o fechamento em solo cimento, tijolo ecológico que não necessita ser queimado ao forno e possui excelente acabamento de superfície. Esta outra qualidade permite a economia no processo de emboço, reboco, massa acrílica e pintura final, pois o material fica aparente com uma camada de impermeabilizante.

   O estilo despojado do conjunto será complementado com pisos nas áreas comuns em laje nível zero, e algumas tubulações aparentes. Tudo isto sem ultrapassar os 750m2, pois acima desta metragem teriam que ser instalados hidrantes. Isto acarreta mais reservatório de água na cobertura, mais carga na estrutura, mais gastos com equipamentos, o que conseguimos evitar, restritamente dentro da legislação.

Projeto comercial e Residencial multifamiliar – 742 m2 – 2009

Escola de Educação Infantil

   Esta escolinha está situada no Bairro do Ouro Fino, em Sorocaba, SP. Diante do desafio de projetar a reforma de uma edificação com quase 40 anos de idade, pouca manutenção e com verba reduzida, optou-se por materiais enxutos e de efeito: cobertura metálica cor branca, reboco nas paredes existentes (muito irregulares), piso cerâmico anti-derrapante marfim em todos os ambientes para evitar perda de material, cores alegres e novas esquadrias (também brancas).

   Ao contrário do que solicitam todas as diretoras de escolas, as salas de aula não devem ter paredes coloridas. Salas “azuizinhas” ou “verdinhas”, prejudicam a reflexão da luz natural, e consequentemente o rendimento do aluno. O ideal é utilizar uma faixa de 1.40m de tinta à óleo cor clara (marfim ou palha) e acima utilizar latex acrílico branco neve. As cores podem vir dos cartazes e adereços pedagógicos.

   O uso das cores alegres foi então liberado nas áreas sociais e de recreação, estimulando os pequenos a gostarem da escola – não só como um ambiente de obrigações, apagado – mas também como local de fantasia e brincadeira.

Reforma – Projeto Institucional – 426m2 – 2008

DSC01621DSC01634  DSC01624

DSC01626